Star Wars 1

- Kelvin Oliveira

A vida inteira ouvi certas delicadezas por ser fã de Star Wars. A mais ouvida é a famosa “virjão”. No ensino fundamental sofria buli porque os coleguinhas do colégio eram tudo macho, jogavam futebol, andavam de chuteira, de bermudinha, corrente de prata, óculos estilo-olho-de-mosca, pegavam todas as mina, comiam todas (só faltou construírem um obelisco no meio da escola de tão falocêntricos e viris). Nunca entendi bem o que tinha de errado comigo por não ser tão fálico. Meus coleguinhas desenhavam pintos nas paredes da escola e eu desenhava sabres de luz. Mas tudo bem, minha mente juvenil se contentava com o Kenobi dizendo que os jedi não podem ter relacionamentos, e aí foi tranquilo me manter virjão.

Star Wars 3Quero aproveitar a vibe do novo filme pra falar um pouco sobre isso. Agora ser fã de star wars é ser cool – e eu não tenho nenhum problema com isso, não sou o tipo de fanboyzinho inseguro que precisa reafirmar toda hora que é mais fã que os outros. Quero aproveitar a vibe pra falar não do “perigo” que representam os “posers”. Quero é falar do perigo de Star Wars se tornar uma cultura hegemônica, tal como aquela que foi usada um tempo atrás pra me oprimir e me deixar tão triste. Tudo bem, ainda é mais comum tu ver alguém vestido com chuteira, bermuda de jogador, camisa de jogador (enfim, cosplay de jogador de futebol) que ver alguém vestido de jedi (pro jedi todos olham com estranheza, agora pro cosplayer de jogador de futebol…). O problema é Star Wars ser usado por uns babaquinhas que afirmam a seguinte coisa que pretendo desconstruir.

.

1) Star Wars é coisa de homem 

Star Wars 4Sim, porque mulheres precisam gostar de princesas ou coisas mais “femininas”, delicadas e rosas. Não podem gostar de sith nem de jedi, isso é coisa de quem é viril, vigoroso, quem tem o taco, bota o pau na mesa pra resolver as cousa, quem é boludo, escrotudo, fálico, pauzudo. Star Wars é coisa de macho peludo que usa Axe (mas não muito pq macho que é macho tem que feder um pouco). É coisa de lenhador, de pai de família, de campeão de campeonato de luta de braço, de quem cria obelisco pra cultuar o pênis, de quem precisa de carrão pra chamar azmina, de quem anda pelado na Rússia (pq isso é coisa de homem), de quem tem músculo até o talo, de quem desenha pinto na sala de aula. Star Wars tem que ser coisa de homem que, ao abraçar o migo, bate nas paleta dele de forma viril e fálica a ponto de descadeirar o cara por uns dias. É ser o pegador, o cara irresistível pra qualquer uma, é girar o pescoço tipo a mina do exorcista quando ver uma nádega como se naquele ânus estivesse o segredo da existência, o sentido da vida, a resposta de todos os porquês. É gritar fiu fiu pensando que seu encantador som produzirá um efeito psicodélico na moça, tal como aquele oriundo do som produzido por encantadores de serpentes. Ser fã de Star Wars é olhar pra uma mulher babando como se ele fosse o Hannibal e a mulher um banquete. É competir com os amigos pra ver quem é o mais fálico, pq né, homem curte competir pra ver de quem é o maior sabre de luz. É falar alto com a mulher, mostrar quem manda, é ser o Conan, o bárbaro. É não ficar triste, é não chorar nunca, é não dizer que ama, é não demonstrar o afeto…

Enfim, espero ter descontruído essa apropriação de Star Wars pelo machismo só pela ironia. Ser machão, ser O homem, enfim, ser reprodutor da cultura machista hegemônica faz tanto sentido pra mim quanto o Han Solo não ter atirado primeiro. Não to dizendo que não sou machista (tem como homem deixar de ser?). To dizendo que os princípios pragmáticos do que é ser macho não tem NADA a ver com Star Wars. Talvez por isso sempre me chamaram de virjão.

Bom, se tem algo a ver com o futebol, aí migo, cabe a vocês discutirem. Não entendo nada de futebol, não curto.Star Wars 2

5 thoughts on “Star Wars e o machismo

  1. Um texto de opinião que julguei adequado, Bruno
    Uma análise mais aprofundada? Convido para fazê-lo.

  2. Gostei do seu texto, até ver que, na verdade, ele estava uma verdadeira m*rda. Concordei com você até surgir a frase “não estou dizendo que não sou machista” e ainda entre parenteses “tem como homem não ser?”. E, respondendo à sua pergunta: tem sim. Em primeiro lugar, o machismo também oprime os homens, foi por isso que você, quando jovem, foi tão julgado por assistir Star Wars. Mas, focando na parte m*rda, foi que você escreveu uma coisa super legal e ai defecou em tudo. Então, se decida, porque você não tem como dizer que Star Wars é coisa de “macho” e do nada falar que você é supostamente machista. O feminismo defende a igualdade de gênero, dizendo que todos podem gostar de qualquer coisa sem serem julgados, tipo “isso é coisa de virjão boiola mulherzinha” ou “isso e coisa de macho viril provedor da família”. Então, pesquise bem sobre o feminismo se você quer defender sua ideia de machista.

    ps: star treck é melhor

  3.    Diversos medios estadounidenses informan que el estudio esta decidido a evitar cualquier tipo de polemica -el atuendo de Leia ha sido tachado en multiples ocasiones de sexista y senalado como simbolo de machismo- y eliminara poco a poco todos los articulos que reproduzcan la ya por otro lado iconica imagen de Carrie Fisher en el Episodio V de la franquicia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>