O dia em que a terra parou 01

Nei Nordin

Realizar refilmagens de clássicos antigos e consolidados é sempre uma tarefa delicada, pois implica em contentar uma legião de fãs que nem sempre possui disposição para ver seu ícone modificado. Além do fato de que verba e tecnologia digital não são garantias de um bom trabalho.

O dia em que a terra parou 02Contudo, não fiquei totalmente decepcionado com a nova versão de “O dia em que a terra parou” pela atualidade do problema que aborda: a destruição do planeta pelo homem.

Quando foi lançada a primeira versão, em 1951, expressões como aquecimento global ou efeito estufa não existiam. Mesmo assim os contextos da guerra fria e da era atômica que se iniciavam já nos permitiam levantar a questão da destruição total do planeta pela irracionalidade bélica. Assim, o extraterrestre Klaatu vem à terra com a missão de prevenir os humanos de uma possível catástrofe.

Em 2008, contextualizado na crise ambiental que vivemos, o novo filme veio mais atual do que nunca e trouxe uma sentença (óbvia, por sinal): o mal somos nós! Lembro-me de assistir há algum tempo, uma entrevista com Dr. Hunter Adams (que inspirou o filme “Patch Adams, o amor é contagioso”, de 1998). Em certo momento ele afirmou que a extinção da vida humana da terra num curto prazo de tempo era uma possibilidade real, “o que seria ótimo para as plantas e os animais”. Aquilo ficou “martelando” na minha cabeça: nós somos o mal e talvez a única chance de nosso planeta sobreviver seja nossa própria aniquilação. Esta é, por fim, a missão do Klaatu de 2008: salvar a terra… de nós mesmos.

O dia em que a terra parou 03O ser humano é uma criatura curiosa e interessante. Somos capazes de realizar os atos mais nobres e criar as invenções mais maravilhosas e incríveis. Por outro lado, praticamos os atos mais destrutíveis e sempre nos excedemos em nossa crueldade. Vivemos neste terrível paradoxo de alcançar níveis de tecnologia nunca imaginados e usar todo este conhecimento para destruir nosso planeta.

Somos embriagados por uma arrogância cristã que nos ensina que fomos criados à imagem e semelhança de Deus, o que implica na noção de que somos superiores a todas as criaturas, que existiriam unicamente para nos servir.

O filme “O dia em que a terra parou” não passa de uma obra de ficção científica, mas que acertou em cheio em um ponto crucial da condição da espécie humana do século XXI: a arrogância e a soberba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>